Salvador no Século 16

 

A história de Salvador começou em 1501, no primeiro ano do século 16, quando a primeira expedição exploradora às terras descobertas por Cabral chegaram aqui em 1º de novembro, dia de Todos os Santos. Com esse nome, batizaram a grande baía que os índios chamavam de Kirimurê.

Por volta de 1509, Caramuru, patriarca da Nação Brasileira, estabeleceu-se na entrada da Baía de Todos os Santos e formou a primeira família registrada do Brasil, com a princesa tupinambá Paraguaçu, que foi batizada, em 1528, na Catedral de Saint-Malo, na França. Sua prole e descendentes formaram grande parte da aristocracia brasileira.

Em 1534, a Capitania da Bahia foi doada a Pereira Coutinho, que estabeleceu uma vila na atual Barra, em 1536. Entretanto, o cacique de fato continuou sendo Caramuru, que tinha imenso talento comercial e político, além do controle dos tupinambás.

Em 17 de dezembro de 1548, D. João III nomeou Thomé de Sousa, o Governador do Brasil, entregou-lhe o Regimento de Almeirim, a primeira constituição do Brasil, e deu as diretrizes para a construção de Salvador.

A fundação de Salvador, comemorada simbolicamente em 29 de março de 1549, data do desembarque de Thomé de Sousa, representa, ao mesmo tempo, a data da fundação do Brasil, como unidade política.

A nau em que veio o Governador chamava-se Salvador, mas, segundo Pedro Calmon (História da Fundação da Bahia, 1949), o nome da Cidade foi dado pelo rei Dom João III. Sua referência já aparece na carta de nomeação de Rodrigo de Arguello, de 15 de janeiro de 1549, para o Officio de Provedor de Minha Fazenda da Fortaleza do Salvador.

O sítio da urbis tinha localização estratégica. Sua situação geográfica era praticamente perfeita para a nova capital. A Cidade Alta abrigava as sedes do poder político, militar, jurídico (Tribunal da Relação) e eclesiástico (Diocese) da América Lusitana. A Cidade Baixa era o porto.

Os primeiros jesuítas chegaram com Thomé de Souza. Em abril de 1549, Manoel da Nóbrega ouviu os primeiros relatos da lenda de São Tomé, o apóstolo que teria vindo à Bahia em época antiquíssima.

Salvador tornou-se, já no século 16, uma cidade senhorial bem fortificada, adornada com igrejas e muitos navios em seu litoral.

Em 1580, houve a União Ibérica, mas o Brasil continuou a ser governado diretamente pelos portugueses.

No final do século 16, começaram as tentativas de invasão de Salvador por ingleses, franceses e holandeses. Os muitos bombardeios danificaram bastante os prédios da Cidade.

Mais: Brasil no Século 16

 

 

Tome de Souza

 

Mapas Históricos da Bahia

 

Representação de Thomé de Sousa e Luiz Dias, o fundador e o arquiteto da Cidade do Salvador, no desfile de comemoração dos quatro centenários da fundação da primeira capital do Brasil, na tarde de 29 de março de 1949 (publicado pela Imprensa Oficial da Bahia, em 1951).

 

História de Salvador

 

Thome Sousa

 

Salvador

A Cabeça do Brasil

Salvador era referida como a Cabeça do Brasil. A palavra capital vem do latim, capitalis, e significa isso mesmo, algo que tem relação com cabeça. Mas, no Regimento de Almeirim, D. João III assim se referiu à cidade que mandou construir (grafia atual):

"...uma fortaleza e povoação grande e forte em um lugar conveniente para daí se dar favor e ajuda às outras povoações e se ministrar justiça e prover nas coisas que cumprirem a meu serviço e aos negócios de minha fazenda e a bem das partes e por ser informado que a Bahia de Todos os Santos é o lugar mais conveniente da costa do Brasil para se poder fazer a dita povoação e assento assim pela disposição do porto e rios que nela entram como pela bondade abastança e saúde da terra e por outros respeitos hei por meu serviço que na dita Bahia se faça a dita povoação e assento e para isso vá uma armada com gente artilharia armas e munições e todo o mais que for necessário."

 

Mapas Salvador

 

História Cidade Salvador

 

Copyright © Guia Geográfico - Cidade de Salvador da Bahia de Todos os Santos, História e Iconografia e Evolução Física, Século XVI.

 

Salvador no Século 16

 

 

 

 

 

 

Por Jonildo Bacelar